quarta-feira, julho 02, 2014

Doença de Parkinson: avanços e perspectivas

Publicado em Entrevistas
01 de julho de 2014
A doença de Parkinson é uma enfermidade que foi descrita pela primeira vez em 1817, pelo médico inglês James Parkinson. É uma doença neurológica, que afeta os movimentos da pessoa, com causas ainda pouco conhecidas.
Francisco Cardoso - DP
O professor Francisco Cardoso. Foto: arquivo pessoal.
O professor titular do Departamento de Clínica Médica da Faculdade de Medicina da UFMG, Francisco Cardoso (FC), acaba de participar do 18º Congresso Internacional de Doença de Parkinson e Distúrbios do Movimento, mais importante evento científico na área. Também secretário daInternational Parkinson’s Disease and Movement Disorders Society, o professor proferiu palestra durante o evento, que foi realizado em Estocolmo, na Suécia, e discutiu formas de tratamentos e avanços. Em entrevista, Francisco Cardoso explica melhor a enfermidade e aborda alguns assuntos levantados no congresso:
O que é a Doença de Parkinson (DP)?
FC: A DP é uma doença degenerativa caracterizada pela perda progressiva de neurônios, em especial na parte compacta da substância negra, pequena região encefálica. A perda de neurônios leva à redução de dopamina e outros neurotransmissores (substâncias químicas que ajudam na transmissão de mensagens entre as células nervosas). Na falta dessas substâncias, o controle motor do indivíduo é prejudicado, ocasionando sintomas característicos, como lentidão de movimento. Outros sintomas motores e não motores também podem surgir, como tremores, rigidez, depressão e distúrbios de sono. Mas o principal é a diminuição dos movimentos. Não se sabe a causa da doença de Parkinson, mas se pensa que tenha relação com interação entre genes e fatores ambientais.
Atualmente, escuta-se falar mais sobre casos da doença. Isso se deve a um real aumento da incidência da enfermidade ou a melhoras no diagnóstico?
FC: Há mais diagnósticos atualmente porque se vive mais, e quanto maior a idade, maior o número de casos. Não há dados científicos que confirmem haver mais casos da doença em pessoas jovens, a enfermidade é pouco comum em menores de 30 anos. Há ainda mais facilidade em se fazer o diagnóstico, que é exclusivamente clínico, mas pode ser auxiliado por achados clínicos, exames laboratoriais e de neuroimagem.
Como os medicamentos disponíveis no mercado (levodopa, agonistas dopaminérgicos, dentre outros) agem no organismo?
FC: O tratamento se baseia fundamentalmente em repor dopamina através do fármaco levodopa e os demais medicamentos existentes melhoram a resposta do levodopa. Não temos medicamentos que impeçam a progressão da doença. Por isso, diagnosticar antes ou depois parece não modificar significativamente o modo como a doença progride. No entanto, alguns estudos sugerem que tratamentos mais precoces implicariam em uma melhor evolução a longo prazo.  
As cirurgias são eficazes?
FC: As cirurgias não são curativas e se prestam a amenizar efeitos colaterais das medicações, sendo utilizadas em proporção pequena dos pacientes. Além disso, pacientes com transtorno do humor grave, que estão deprimidos, com comprometimento cognitivo ou que tenham fácil manejo às medicações não são elegíveis. A principal técnica da cirurgia é a estimulação profunda de partes do cérebro, quer seja do subtálamo ou do globo pálido interno.
A estimulação elétrica da coluna dorsal, principal via sensorial da medula espinhal, é um modo de tratamento seguro e eficaz? Por quê?
FC: Testes com estimulação da medula, alguns deles apresentados no 18º Congresso Internacional em Doença de Parkinson e Doenças do Movimento, em Estocolmo, mostraram que não há lugar para esta técnica.
A terapia genética é colocada como alternativa promissora para o tratamento. Os estudos têm mostrado resultados positivos em relação a essa terapia?
FC: Terapias gênicas e com células-tronco – a Escandinávia é um dos grandes centros do mundo nestas técnicas – são inteiramente experimentais, feitas em poucos lugares do mundo e em protocolos de pesquisa. Esse tipo de terapia busca corrigir doenças genéticas, causadas por genes defeituosos, por meio da inserção de uma cópia correta do gene nas células do paciente.
É possível falar que estamos nos aproximando da descoberta de uma cura para a doença? Quais as expectativas da área em relação a essa enfermidade?
FC: Infelizmente, ainda estamos algo longe da descoberta da cura da doença. O que temos são os tratamentos farmacológicos, ao lado de outras técnicas que têm papel expressivo no tratamento, sobretudo a fisioterapia e fonoaudiologia. Os tratamentos atuais são bastante eficazes, de modo que os pacientes com DP têm expectativa de vida praticamente normal. Além disso, muitos estudos em relação à doença estão sendo desenvolvidos. Alguns deles mostram, por exemplo, que ao tomar duas xícaras de café expresso por dia, tem-se redução do risco de ter a doença.