sábado, fevereiro 20, 2010

Medicações que devem ser evitadas


Os pacientes portadores da DP, pela faixa etária apresenta, com
freqüência podem apresentar outras morbidades, como por exemplo : a
hipertensão arterial sistêmica, hipotireodismo, glaucoma,
insuficiência cardíaca congestiva, doença pulmonar obstrutiva crônica,
síndromes dispépticas, síndrome vestibular, prostatismo, osteoporose,
entre outras enfermidades.

Por vezes, a politerapia medicamentosa utilizada nesses pacientes pode
resultar em efeitos antidopaminégicos, que poderão levar a uma menor
eficácia do tratamento do paciente parkinsoniano.

Um cuidado especial merece ser observado nesse grupo de pacientes,
procurando-se eliminar medicações que possam interferir no tratamento
da DP.

Nesse particular, deve-se lembrar que medicações comumente utilizadas
para distúrbios, como a metoclopramida, medicações anti-hipertensivas,
como os bloqueadores de canal de cálcio e o captopril, medicações
antivertiginosas (bloqueadoras de canal de cálcio), podem provocar
quadros de parkinsonismo e piorar o quadro clínico dos pacientes com
doença de Parkinson.

A tabela 1 apresenta, de forma resumida, os principais fármacos que
devem ser evitados e pacientes com DP, por comprovada ação
antido-paminérgica, ou ainda por estarem relacionadas a casos de
parkinsonismo induzido por drogas:

Na prática clinica diária, observamos que dois grupos de medicamentos
estão mais comumente relacionados com o desenvolvimento de
parkinsonismo. São eles os neurolépticos (medicamentos antipsicóticas,
cujo exemplo mais tradicional é o haloperidol) e principalmente as
medicações bloqueadoras dos canais de cálcio, como a flunarizina e a
cinarizina. Esses medicamentes são utilizados, em nosso meio, de forma
abusiva, muitas vezes continuadamente, em particular no grupo de
pacientes idosos, no tratamento de distúrbios vestibulares
(labirintopatias).



TABELA 1 – Principais fármacos com possível ação antidopaminérgica

· Alfametildopa

· Amlodipina

· Amiodarona

· Captopril

· Clorpromazina

· Cinarizina

· Diltiazem

· Flunarizina

· Haloperidol

· Levomepromazina

· Lítio

· Meperidina

· Metoclopramida

· Periciazina

· Pimozide

· Sulpirida

· Verapamil



BIBLIOGRAFIA

TEIVE, HÉLIO A. G.. Doença de Parkinson. Um Guia Prático para
Pacientes e Familiares – LEMOS EDITORIAL – SÃO PAULO – 2000 – (PAG 55
e 56)"